A excelência encontra-se nos detalhes (Reportagem Modelo)

No último domingo, dia 11 de agosto, o torcedor pôde vibrar com o emocionante confronto entre as equipes de Palmeiras e São Paulo, embate válido pela etapa semifinal do Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino A2. Como havia sido derrotada pelo placar mínimo no jogo de ida, realizado no Pacaembu, a equipe palestrina se lançou ao ataque desde o início. Com transmissão em rede aberta realizada pela Rede Bandeirantes, o clássico paulista contou com boa técnica, disputas fortes, bola na trave, expulsão e gols: um para cada lado, placar que, somado ao do jogo de ida, classificou a equipe do Morumbi para a grande final. 

Para além de uma boa partida de futebol, o confronto também pode ser visto como mais um entre os vários acontecimentos que colocam o ano de 2019 como um dos mais notáveis anos no que diz respeito à consolidação da modalidade feminina no país. Palmeiras e São Paulo somam-se a diversos outros clubes brasileiros tradicionais que, a partir do começo deste ano, criaram — ou expandiram — suas equipes femininas profissionais e suas respectivas categorias de base. Entretanto, apesar dos claros avanços observados, alguns problemas históricos da modalidade ainda vigoram firmes no país do futebol.

Sport Recife dispensa a jogadora Sofia Sena que desabafou sobre a falta de estrutura do clube. Foto: Reprodução/Instagram.

(Atenção: esta reportagem é para teste. Site em contrução!)

Apesar do sucesso da última Copa do Mundo de Futebol Feminino apontar para um maior interesse do público, como nos mostram os altos números de audiência na televisão brasileira, o torcedor é constantemente desestimulado a acompanhar suas equipes de coração. Em alguns casos, a ausência de organização compromete a consolidação da modalidade ao não possibilitar o estabelecimento das bases para que as atletas possam trabalhar de forma digna. Como relatou publicamente a atleta Sofia Sena, muitas vezes o que falta aos clubes, para além de uma infraestrutura adequada, é uma maior consideração para com suas atletas — tais denúncias contribuíram diretamente para o seu desligamento da equipe feminina do Sport Club do Recife. Em alguns casos, como é o da equipe pernambucana, a falta de consideração pode ser percebida claramente quando a equipe feminina não dispunha sequer de um preparador físico. Em outros, a falta de consideração é muito mais sutil.



"Dribles e lances mágicos do futebol feminino."
Joga muito!
Bola no lance!

A Formiga é paixão nacional. Vamos curtir juntos um bom futebol feminino.

– Vamos “bater uma bola”? – Só se for agora!

Anote esta receita:

  • Bola redonda
  • Bola quadrada nunca!
  • Campo rosa
  • Este é o ideal para um campo feminino